Uma análise sobre a aquisição da Vertex pela Alper Corretora de Seguros

De tempos em tempos trazemos análises do mundo dos negócios com mais profundidade financeira do que das notícias que geralmente encontramos na mídia. Nossa intenção é, além de proporcionar conteúdos interessantes, mostrar como nossos serviços podem trazer eficiência para profissionais de análise financeira e de crédito – somos a maior base de demonstrativos financeiros de capital fechado do Brasil (com informações de S/As e também de LTDAs) e possuímos serviços especializados para áreas de análise de crédito (combinação que vem reduzindo substancialmente o tempo de processo em nossos clientes).

Tenho interesse nos serviços Klooks

Recentemente a Alper Corretora de Seguros adquiriu a Vertex (outra corretora). A Alper é um conglomerado grande para o setor, R$ 91 milhões de receitas em 2019 e capital social de R$ 240m. Já a Vertex é uma empresa aparentemente pequena, o capital social somado do grupo econômico é de R$ 390 mil, atua principalmente em Minas Gerais e tem um modelo de negócio baseado em rede/franquias. O que um grupo grande teria visto nesta pequena empresa?

Para conseguirmos explorar os dados e tirarmos conclusões, montamos um BI de inteligência competitiva do setor de corretoras de seguros com informações financeiras 2019, que você consegue acessar clicando neste link. Ali você consegue ver indicadores bem interessantes, eu particularmente não sabia que as margens de corretoras que trabalham com seguro garantia eram tão altas. Além disso, esse BI nos permitiu destrinchar os dados e analisar as razões que podem ter motivado a Alper neste movimento.

Corretoras em Minas Gerais tem as maiores margens do Brasil

As corretoras de Minas apresentaram mediana de 50% de margem de lucro, bastante acima dos outros estados. Como este número pode estar influenciado pelo tamanho da amostragem – temos 4 de Minas –  optamos por comparar com as 4 com melhor resultado de SP.

Top 4 MG: 50% de margem de lucro

Top 4 SP: 37% de margem de lucro

Minas Wins!

Destaque para a Bem Aqui Corretora de Seguros, parte do Grupo Mercantil, que atingiu a receita líquida de R$ 26 milhões em 2019 com margem de lucro de 60% (neste link disponibilizamos o balanço dela).

Corretoras independentes tem margens menores

Aqui a relação é inversa, enquanto as corretoras que fazem parte de conglomerados tem margem de lucro de 47% as independentes tem de 7% (mediana). Entendemos que tenha relação com a incidência dos ganhos de escala da atividade, uma vez que conglomerados tem melhor poder de barganha e conseguem diluir muito os custos fixos. No entanto, a razão principal nos parece ser o aproveitamento de uma estrutura de distribuição adjacente – bancos usando sua estrutura para vender seguros são o tipo mais comum. Assim eles economizam o principal custo das corretoras: o vendedor. Para se ter uma ideia, nas independentes os custos fixos representam 51% da receita e nas que fazem parte de conglomerados maiores 27%.

Ou seja, nos parece ter sinergias interessantes a serem aproveitadas pela Alper. Em primeiro lugar a Vertex diluirá seus custos fixos e gerará mais caixa. Em segundo lugar, a Alper poderá aproveitar sua estrutura para potencializar a venda de franquias da Vertex.

Em 2019 a margem da Alper foi de 3%, muito baixa em comparação com o setor. E o principal vilão do resultado foram os custos de pessoal, que representaram 64% da Receita Líquida (disponibilizamos o balanço neste link). E, como falamos anteriormente, em corretoras de seguros “pessoas” são quase sinônimo de consultores comerciais.

Estaria ela querendo testar um modelo de franquia para reduzir custos de vendas e chegar mais perto das margens dos conglomerados? Provavelmente serão cenas dos próximos capítulos.

Redes/Franquias de seguros tem crescimento superior

Corretoras de seguros que trabalham em modelo de rede/franquias tem crescimento 40% superior às que trabalham no modelo tradicional. Destaque para SegPartners, que cresceu 35% em 2019 (neste link deixamos disponível o balanço dela).

No entanto, pelo menos nos balanços que temos acesso, as margens se mostraram baixas. Talvez seja em função do tamanho, nenhuma destas atingiu uma escala relevante – a maior fatura 9 milhões.

Visão de mercado

É um mercado bastante fragmentado, com ganhos de escala significativos e com altas margens para quem acerta a estrutura de distribuição – fatores importantes para uma consolidação de mercado. Os maiores players ainda são partes de conglomerados bancários – BB Corretora com receitas de R$ 3 bi, Itaú Corretora com R$ 828m, Wiz (Caixa) com R$ 681m – salvo casos pontuais como da Qualicorp, que revolucionou o segmento de seguros saúde em grupo e já alcança receitas de R$ 2bi, e da própria Alper com R$ 91m de receita líquida. Não se impressionem se começarmos a vivenciar uma consolidação de corretoras de seguros.

Se quiser ter acesso ao relatório completo com demonstrativos financeiros de mais de 40 corretoras de seguros, é só entrar em contato conosco. O relatório inclui empresas como Minuto Seguros, Howden Harmonia, Pessego, Wiz, ItsSeg, Bancorbras e muito mais. Se preferir só navegar nos números agregados de 2019, disponibilizamos gratuitamente neste link.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *